martes, 14 de septiembre de 2010

Gustav Mahler (1860-1911) - Sinfonia No. 5 em Dó Sostenido Menor

"Gustav Mahler (1860-1911) - Sinfonia No. 5 em Dó Sostenido Menor: "Sua Quinta Sinfonia [de Mahler] é a mais conhecida e também a mais importante, obra divisora de águas, em que Mahler busca uma fusão de suas convicções pessoais com sua poderosa intuição estética, na tentativa de transformar suas idéias em música pura. Dividida em três partes, ela organiza de uma maneira bastante convicta o que antes aparecia de maneira implícita, ou seja, a narrativa musical saindo do trágico e caminhando para o triunfo. A primeira parte abre com uma marcha fúnebre, seguida de um movimento tempestuoso e enérgico (não sem a indicação da esperança, num tema que depois será retomado com alegria abundante no final), caracterizando o conflito e definindo suas metas. A segunda parte engloba um único movimento, o Scherzo, mais descontraído e musicalmente muito bem arquitetado, como se fortalecendo as bases para a terceira e última parte. Esta inicia com o famoso adagietto, talvez a mais conhecida passagem de Mahler, um movimento escrito apenas para cordas, lento e de beleza incomparável em sua obra. Um grande hino de amor e esperança. O final mescla temas dos movimentos anteriores, mas sempre direcionando-os para a resolução dos conflitos, com passagens simples, quase infantis, concluindo com uma grande explosão de alegria. A Quinta é, para muitos, sua mais característica obra, onde suas idéias musicais e convicções pessoais estão dispostas de maneira mais equilibrada e segura (apesar do próprio Mahler ter revisto várias vezes a partitura e se espantava em verificar erros de orquestração cada vez que fazia uma nova revisão)






01 - I. Trauermarsch. In gemessenem Schritt. Streng. Wie ein Kondukt
02 - II. Stuermisch bewegt. Mit groesster Vehemenz
03 - III. Scherzo. Kraeftig, nicht zu schnell
04 - IV. Adagietto. Sehr langsam
05 - V. Rondo-Finale. Allegro - Allegro giocoso. Frisch

Symphonie-Orchester des Bayerischen Rundfunks/Bavarian Radio Symphony Orchestra
Rafael Kubelik, regente


"

No hay comentarios: